domingo, 29 de novembro de 2009

Dúvidas e curiosidades do Direito

Há coisas estranhas na nossa legislação...

Num dos meus dias de estudo deparei com o número 2 do artigo 1875.º do Código Civil, que diz respeito ao nome do filho, tendo ficado intrigado com a solução que o mesmo aponta...

Assim, vem consagrado no referido artigo que:

"A escolha do nome próprio e dos apelidos do filho menor pertence aos pais; na falta de acordo decidirá o juiz, de harmonia com o interesse do filho."

Estipula o artigo em apreço in fine que, na falta de acordo "o juiz decidirá de harmonia com o interesse do filho", ora, a minha questão é: Caso a dúvida seja se o filho se chamará Tibúrcio, ou se chamará Tuberculino. Qual será o interesse do filho?

Ehehehe :-)

Ubiquidade...

Sabendo que não tens o dom da ubiquidade, intriga-me como consegues estar ao mesmo tempo no meu pensamento e no meu coração?!... ou... Algures onde apenas eu sei...
Será que há resposta?

NOTA: Ubiquidade: Omnipresença; Faculdade de estar presente em vários locais ao mesmo tempo

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Lucidez... ou insanidade?!

O post anterior foi apenas um momento de insanidade de alguém que passou o dia a estudar... Este é um raro momento de lucidez pelo que o melhor é não me terem levado a sério... now i can see clear... and now i´m back to bed and to the land of dreams, where my insanity moments become true and reach the daylight... Well, my dreams are much brighter there and my insanity feels so good...

Good night and sweet dreams... somewhere only i know....

A falta que me fazes...

Os fins de semana sem ti ou sem as tuas palavras parecem-me intermináveis... Porque será que tem de ser assim?! O teu silêncio é ensurdecedor e cada vez que o telemóvel toca, seja o "Use somebody" dos Kings of Leon seja o "Bip bip" de sms recebido, deixa-me com uma carga de adrenalina e ansiedade... Desesperado! Parece que preciso de ti como se fosses a droga em que estou viciado. És o meu vício?! Então porque não te posso ir buscar e agarrar-me a ti como o meu maior tesouro... como aquela que me faz sorrir imenso... como aquela que se preocupa comigo... como aquela "que me dá na cabeça"... como aquela que me acarinha... como aquela que conquistou um espaço no meu coração... como aquela que vive no meu pensamento... como aquela que à medida que vou escrevendo estas palavras deitado na minha cama, me faz estender a mão e apenas alcança o algodão... quando o que desejo é alcançar o teu coração... Fazes-me falta.

PS: esta cama parece mais pequena do que quando eu era criança...

domingo, 22 de novembro de 2009

Domingo à tarde...

Domingo à tarde...
Dia de estudo... Família. Direito da Família. A cabeça está em todo o lado excepto onde deveria estar. A ironia é que penso em algo semelhante ao meu estudo. Na família. Naquela que eu desejo... As confusões que existem nesta cabeça... O melhor mesmo é pensar em termos jurídicos e não naqueles que me afastam da racionalidade... Família conjugal, família parental, família por afinidade e família adoptiva... and so on...

sábado, 21 de novembro de 2009

City of Angels

Adoro esta cena... Acho que define o filme e o que ele procura transmitir...
"I would rather have had one breath of her hair, one kiss of her mouth, one touch of her hand, than eternity without it..."

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Toyota IQ



IQ ou Intelligence Quoficient... Já me contentava om um "bichinho" destes. Não será o carro da minha vida mas agora dava tanto jeito. Económico e baixos custos de manutenção. Hoje voltei a conduzir um e... o "bichinho" ficou. É claro que preferia um carro maior, "assim" ou "assado", mas pensando racionalmente esta é talvez das melhores soluções que tenho, uma vez que sou sozinho, ando muito, tenho dificuldades em estacionar perto da Faculdade e o salário cada vez é mais "curto"! Pode ser que em breve...

Frase do dia - Fernando Pessoa

"O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis."
Fernando Pessoa

Kings of Leon - Use somebody

Simples... mas e depois?! Gosto...



Oh, oh, oh, oh, oh, oh
Oh, oh, oh, oh, oh, oh
Oh, oh, oh, oh, oh, oh
Oh, oh, oh, oh, oh, oh

I've been roaming around, I was looking down at all I see
painting faces, building places I can't reach

You know that I could use somebody...
you know that I could use somebody...

Someone like you and all you know and how you speak
countless lovers undercover of the streets

You know that I could use somebody...
you know that I could use somebody...

Someone like you

Oh, oh, oh, oh, oh, oh
Oh, oh, oh, oh, oh, oh wha-ah-ah
Oh, oh, oh, oh, oh, oh wha-ah-ah
Oh, oh, oh, oh, oh, oh

Off in the night, why'd you live it up, I'm off to sleep
waging wars to shape the poet and the beat

I hope it's going to make you notice...
I hope it's going to make you notice...

Someone like me...
Oh, oh, oh, oh, oh, oh Someone like me...
Oh, oh, oh, oh, oh, oh someone like me... somebody...
Oh, oh, oh, oh, oh, oh wha-ah-ah
Oh, oh, oh, oh, oh, oh

(I'm ready now, I'm ready now
I'm ready now, I'm ready now
I'm ready now, I'm ready now
I'm ready now)

. . . . . .
Oh, oh, oh, oh, oh, oh Someone like you... somebody
Oh, oh, oh, oh, oh, oh Someone like you... somebody
Oh, oh, oh, oh, oh, oh Someone like you... somebody
Oh, oh, oh, oh, oh, oh

I've been running around, I was looking down at all I see...

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Quid juris?

A minha vida... Quid juris?

NOTA: Frequentemente usada (por exemplo, em sentenças judiciais), a expressão "quid iuris?" que, traduzida à letra, quer dizer "o quê de Direito?", ou seja, "que Direito? – que regra ou conceito ou interpretação da Lei – deve ser aplicado num caso concreto?"

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Dias difíceis...

Adivinham-se dias difíceis para os próximos tempos... Nenhuma novidade portanto. O que há de novo? Talvez o facto de me sentir cansado e sem forças para lutar. Bem sei que são dias, mas estes também têm de ser vividos e não temos o dom de passar ao lado deles. Não podemos ficar trancados em casa à espera que passem uma vez que temos o trabalho, a Faculdade e outros afazeres no nosso dia-a-dia de correria e stress... É a vida ou como se diria neste "novo mundo" repleto de estrangeirismos, é a "viding"! O certo é que não há como fugir e vou mesmo ter de enfrentar estes dias... É certo que por entre notícias menos boas, lá aparece uma ou outra que nos dão algum alento ou nos fazem sorrir. Hoje por exemplo soube que uns colegas (amigos) da Faculdade começaram a namorar... A verdade é que algo transparecia e o meu 6.º sentido (funciona bastante em relação a terceiros... como dizemos em Direito, é oponível erga omnes, ou seja contra todos, não funciona é a favor do detentor do direito... para lamento meu, mas pode ser que um dia não me engane em relação a mim próprio)não me enganou... sempre juntos, uma grande cumplicidade, os olhares, o "apoio" desmesurado em situações de apuro... é bom estar apaixonado não é?! Melhor ainda quando essa paixão é correspondida. Espero em breve poder escrever um pouco mais acerca da Faculdade e dos meus colegas (e amigos... alguns) mas terá de ser com mais tempo, com mais paciência e... com mais força.
E agora?! Agora tenho de arranjar forças para regressar ao trabalho. Esse não espera... mais logo, aulas. Adivinham-se dias difíceis....

Antony and the Johnsons - Fistful of Love


I was lying in my bed last night staring
At a ceiling full of stars
When it suddenly hit me
I just have to let you know how I feel
We live together in a photograph of time
I look into your eyes
And the seas open up to me
I tell you I love you
And I always will
And I know you can't tell me
I know you can't tell me

So I'm left to pick up
The hints, the little symbols of your devotion
So I'm left to pick up
The hints, the little symbols of your devotion

And I feel your fists
And I know it's out of love
And I feel the whip
And I know it's out of love
And I feel your burning eyes burning holes
Straight through my heart
It's out of love
It's out of love

I accept and I collect upon my body
The memories of your devotion
I accept and I collect upon by body
The memories of your devotion

And I feel your fists
And I know it's out of love
And I feel the whip
And I know it's out of love
And I feel your burning eyes burning holes
Straight through my heart
It's out of love, ooh hoo
It's out of love

Give me a little bit serious love
Give me a little full love
Be full of love

Fists, fists, fists full of love...

sábado, 14 de novembro de 2009

Parabéns S...


Muitos Parabéns S... :-)

Hoje é um dia muito especial para si, assim como para aqueles que a conhecem. A verdade é que hoje é apenas um dos dias especiais daqueles que têm a oportunidade de conviver consigo durante a semana. Tem-me ensinado muito e espero aprender muito mais. Espero que os anos que vão passando cimentem a amizade, a inteligência, o altruísmo, a generosidade e a alegria de viver que encontro em si.
Agora vou-me deixar de lamechisses, por isso venha de lá a Asti e o belo do bolo de chocolate da Bimby que já se faz tarde! Eheheheh :-)

Um grande beijinho S. e muitos parabéns! Faça muitos e que sejam cheios de vida e alegria!

Gostava de ler o teu olhar...

Gostava de ter o dom de "ler" olhares. Às vezes tenho a ideia que o consigo fazer e se não fosse esta incerteza, pareceu-me que os teus olhos disseram "Quero um beijo teu...". Seria isto?! Só tu saberás a resposta...
A nossa mente deturpa tanto aquilo que o nosso olhar transmite... ou não?! Mas era isso que gostava de ler no teu olhar...

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Tiago Bettencourt - "O Campo"

Por entre o turbilhão de sentimentos que paira algures onde apenas eu sei... Parece que quanto mais anos tenho, menos me conheço e mais receio as minhas reacções... Os meus medos, que quando parece que aprendi a lidar com eles, conseguem entrar nos espaços mais esconsos do meu ser...

Esta música é muito bonita...



Tiago Bettencourt - "O Campo"

Quis agarrar a ti o mar
Quis agarrar a ti o sol
Quis que o mar fosse maior
Quis que o mar tocasse o sol
Quis que a luz entrasse em nós
Inundasse o lado frio
Quis agarrar a tua mão
E descer o nosso rio

Quero agarrar a ti o céu
Quero agarrar a ti o chão
Quero que a chuva molhe o campo
E que o campo seja teu
Para que eu cresça outra vez
Quero agarrar em ti raiz
Quero agarrar a ti o corpo
E eu quero ser feliz...

Quis agarrar a ti o barco
Quis agarrar a ti os remos
Que usamos nas marés
Quando as ondas são de ferro
Quero agarrar a ti a luta
Quero agarrar a ti a guerra
Quero agarrar a ti a praia
E o sabor de chegar a terra

Porque o mar tocou no sol
Inundou o lado frio
Porque o sol ficou em nós
E desceu o nosso rio
Por isso dá-me a tua mão
Não largues sem querer
Quero agarrar a ti o mar
Eu quero é viver.

Se tens medo da dor
Vem ver o que é o amor
Se não sabes curar
Vem ser o que é amar

Quero ver-te amanhecer.

sábado, 7 de novembro de 2009

Vencido... mas não derrotado.



Ontem passei o dia na Faculdade... Agarrado aos livros, tentando adquirir mais conhecimentos... a sapiência como alguns dirão! A companhia foi digamos que... excelente. Como habitualmente é. Daquelas que nos fazem sorrir e puxam por nós. Ainda bem... é que estudar não é propriamente das coisas que mais gosto de fazer e se a companhia não fosse agradável, as coisas ainda se levariam pior... "Viagem" até às 21.20h sempre em dúvidas múltiplas, pequenas glosas (Confesso... mas eu disse pequenas! E digam-me um, mas um estudante de Direito que nunca as haja feito?!... que eu não acredito...). Chegado ao exame... bloqueei! As dúvidas assolaram-me de uma forma que fiquei parado a olhar para a 1.ª pergunta. Espécie de acção? Pedido? Causa de pedir? Valor da causa?! Tou desgraçado... Espécie de Acção? Suicida (tipo harakiri...)... Pedido? Tirem-me daqui... Causa de pedir? O meu pânico e bloqueamento perante não saber se a execução específica de contrato-promessa de um bem imóvel é uma acção declarativa ou executiva... Damm!!! Aparentemente respondi bem... Acção declarativa constitutiva mas... e o resto?! O tempo já está a chegar ao fim... Valor da causa? É um teste de avaliação contínua e o valor vai ser muito baixo... ponderei mesmo não entregar, seria uma forma de evitar a sentença condenatória (pesada) que aí vem... Tenho sempre problemas de tempo nos exames, ou seja, nunca consigo concluir os meus exames, mas este foi demais... Fónix! Bem sei que este sentimento de ter sido vencido é temporário (assim espero...), mas custa.
Saído do exame fui comer uma bifana e beber uma imperial, notoriamente "pissed off", com colegas... fugidos do tema do exame, acabamos a falar nos nossos pais que já partiram... e é por eles acima de tudo que podemos ter sido vencidos, mas não derrotados.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

domingo, 1 de novembro de 2009

Pedir... ou não?!



Como uma música, foste entrando sem pedir...
Ganhaste a minha atenção mesmo sem a pedir...
Cativaste o meu olhar, e também sem o pedir
Ajudaste-me, e eu não te pedi...
Abraçaste-me e eu não te pedi...
Conquistas-me... e mesmo sem o pedir, e eu não o pedi... nenhum de nós o precisa fazer... porquê?! Porque o coração quer sentir... e sente... e aos poucos, sem pedir, e eu não te pedi... vais fazendo parte de mim...
E eu, mesmo sem o pedir... quero chegar a ti, fazer o teu coração sentir, fazendo parte de ti...